ONG Parceira do PortoWeb

Militar morto na Capital comandava o Doi-Codi no ano do Atentado do Riocentro

Militar morto na Capital comandava o Doi-Codi no ano do Atentado do Riocentro

Coronel Júlio Miguel Molina Dias, 78 anos, foi assassinado a tiros no bairro Chácara das Pedras

O coronel reformado do Exército assassinado na noite de ontem, na Capital comandava o Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI), em 1981, ano do Atentado do Riocentro. O órgão de repressão no período da ditadura militar foi apontado como sendo responsável pelo episódio. Júlio Miguel Molina Dias, de 78 anos, foi morto em uma suposta tentativa de assalto, no bairro Chácara das Pedras.

De acordo com o integrante do Movimento Justiça e Direitos Humanos, o Coronel Molina, natural de São Borja, não teve o nome incluído no Arquivo de Repressores e Torturadores Brasileiros. Jair Krischke, lembrou no entanto, que outro coronel, Dickson Grael, atribuiu ao gaúcho a responsabilidade do atentado no Rio de Janeiro. 

Grael foi convidado para fazer o Inquérito Policial Militar sobre o ataque frustrado. Ao prometer investigar a fundo, foi afastado, destacou Krischke. Anos depois, lançou o livro A Sombra da Impunidade, acusando o Doi-Codi pelo ataque. O coronel gaúcho foi ouvido por um procurador militar que tentou, sem sucesso, reabrir o caso, em 1999.

O crime
O militar foi morto quando ao chegar em casa em um Citroën C4, na rua Professor Ulisses Cabral. A Polícia Civil abriu inquérito sobre o caso. Krischke garante que a Comissão da Verdade – criada para investigar violações dos direitos humanos no período da ditadura – "está apavorando aqueles que atuaram no período". Sobre a motivação do crime, sugere que pode ser atribuído "a velhos "companheiros" diante da possibilidade de esse coronel falar qualquer tipo de inconveniência... e pode ser também um simples assalto".

O atentado

Na noite de 30 de abril de 1981, uma bomba explodiu do lado de fora do Riocentro, na Barra da Tijuca, zona Oeste do Rio de Janeiro, durante um show em comemoração ao Dia do Trabalhador. O sargento Guilherme do Rosário morreu enquando manuseava uma bomba. Com ele estava o capitão Wilson Dias Machado, que ficou ferido. A ideia, segundo opositores do Regime Militar, era provocar uma explosão e atribuir o episódio a "subersivos".

O Exército nunca confirmou o envolvimento no atentado. Na época, o governo culpou os radicais de esquerda pelo ataque. Cerca de 20 mil pessoas acompanhavam a apresentação de nomes como Elba Ramalho, Ivone Lara, Gonzaguinha, Moraes Moreira e Beth Carvalho.

     Ouça o áudio: Jair Krischke > http://www.radioguaiba.com.br/Noticias/?Noticia=474279


Feira do Livro- Painel - DITADURA, REPRESSÃO E LUTA ARMADA: MAJOR CURIÓ X CARLOS MARIGHELLA.
CCDH sedia coletiva de imprensa do embaixador do Equador sobre morte de ex-presidente
COLETIVA DE IMPRENSA- Dia 24 de outubro, 15h30min, Comissão de Cidadania e Direitos Humanos – 3º andar –Palácio Farroupilha- Assembléia Legislativa do RS
Papéis indicam que Jango era monitorado por militares
Operação Condor teve início em 1970, mostram novos documentos
Dossiê Jango, de Paulo Fontenelle, desestabiliza ânimos na disputa pelo troféu Redentor Filme foi aplaudido de pé ao fim da sessão no Cine Odeon
MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA: A Câmara de Deputados do Uruguay, por proposta do Dep. Luis Puig, prestará no dia 02 de outubro, justa homenagem a memória de nosso querido companheiro Universindo Rodriguez Diaz.
Saiba tudo sobre 29° PRÊMIO DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO- Veja abaixo.
COLETIVA DE IMPRENSA: No domingo à tarde, dia 30/09, às 15,30h, Rosa Cardoso e Jair Krischke terão um encontro com a imprensa no hotel Everest (rua Duque de Caxias, 1357)
Governo quer mapear e identificar locais de tortura
Comissão da Verdade também vai investigar Operação Condor
Brasil-DDHH:Deportación represor argentino es emblemática
Brasil-DDHH:Deportación represor argentino es emblemática
SUPREMA CORTE DE BRASIL CONCEDIÓ LA EXTRADICIÓN - CLAUDIO VALLEJOS
MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA: 29° PRÊMIO DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO
Jornal de Floripa Supremo determina extradição de argentino acusado de tortura
Conheça mais um pouco das ações do presidente do MJDH Jair Krshcke
Morre Universindo Díaz, símbolo da luta contra ditadura
SEMINÁRIO> ANOS DE CHUMBO: AS ESTRUTURAS INFORMAIS DA REPRESSÃO EM PORTO ALEGRE. - 30 de Agotos em Porto Alegre

Anterior || ... | 6 | 7 | 8 | 9 | Página 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | 15 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA