ONG Parceira do PortoWeb

Documentos revelam detalhes de explosão no Riocentro

Documentos revelam detalhes de explosão no Riocentro

Arquivos do exército estão com o governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro

TATIANA FARAH- O GLOBO

·         

SÃO PAULO - Três folhas de papel contam em detalhes a explosão da bomba no Riocentro em 1981, numa espécie de minutagem escrita à mão por ninguém menos que o comandante do DOI-Codi do Rio na época, o coronel Júlio Molinas Dias. Outros dois documentos do Exército mostram a entrada e o retorno do que restou de explosivos plásticos para a feitura da bomba, que explodiu acidentalmente no carro com dois militares durante o show do Dia dos Trabalhadores, em 30 de abril daquele ano. Esta é uma parte do arquivo pessoal de Molinas Dias, morto no início do mês durante um suposto assalto em Porto Alegre.

Os documentos foram entregues à polícia pela família do coronel reformado e estão em poder do governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro. Na terça-feira, serão entregues para a Comissão Nacional da Verdade. Os documentos, que têm sido mantidos em sigilo, trazem ainda informações importantes sobre a prisão e morte do deputado cassado pela ditadura Rubens Paiva, desaparecido há 41 anos e cuja morte foi negada pelos militares.

O "acervo" de Molinas estava guardado em sua casa e foi entregue pela família depois de sua morte. O coronel reformado tinha um arsenal com mais de vinte armas e, segundo as investigações, foi atacado por ladrões que tentavam roubar esse armamento. Foi morto com 15 tiros.

Para o presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Rio Grande do Sul, Jair Krischke, a "minutagem" e os despachos internos do Exército "oficializam" a ação do comando do DOI-Codi na explosão da bomba no Riocentro. A bomba seria atribuída pelos militares a uma ação de terrorismo de esquerda, mas acabou explodindo no colo do sargento Guilherme Pereira do Rosário. No ano passado, o GLOBO revelou que Rosário levava no bolso da calça uma pequena agenda telefônica, com os nomes reais de militares e civis que atuaram na tortura do regime militar.

Molinas passa a fazer o registro da ocorrência, com a contagem dos minutos, a partir da explosão da bomba, que foi acidental. Faz isso porque a estratégia fugiu do controle. Os outros dois despachos mostram que o próprio material da bomba foi fornecido pelo Exército e que a sobra foi devolvida para o quartel. São documentos muito reveladores, importantes para esclarecer como o episódio está ligado ao centro de comando do aparelho de repressão do estado disse Krischke.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/documentos-revelam-detalhes-de-explosao-no-riocentro-6821031#ixzz2D9oIZt9i 
© 1996 - 2012. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

 

Folha publica que governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), prepara para a semana que vem um ato político de entrega à Comissão da Verdade de cerca de cem folhas encontradas nos arquivos pessoais de um coronel que chefiou o DOI-Codi, um dos órgãos da repressão no regime militar. Conforme a Folha mostrou na terça-feira passada, material recolhido pela Polícia Civil na casa do militar reformado Júlio Miguel Molinas Dias pode elucidar o caso Rubens Paiva e o atentado ao Riocentro, em 1981. Dias foi morto a tiros no início do mês na capital gaúcha. Nos documentos, há um ofício de 1971 informando a chegada à sede do DOI-Codi no Rio do ex-deputado Rubens Paiva, um dos mais conhecidos desaparecidos políticos do regime militar. O Exército sempre negou a responsabilidade pelo desaparecimento. A única prova da presença de Rubens Paiva em dependências militares eram testemunhos. Segundo a Casa Civil do governo Tarso, os documentos não devem ser tornados públicos já no evento. Antes, eles passarão pela análise da Comissão da Verdade Estadual, criada para municiar com informações o grupo federal. Os papéis estão guardados reservadamente com a Polícia Civil. Tarso disse ontem em uma reunião que os documentos comprovam que Paiva foi sequestrado e "covardemente assassinado" pela ditadura, em suas palavras. O jornal "Zero Hora" reproduziu anteontem termos do documento, que informa com quais pertences o engenheiro chegou à divisão militar. O ofício, diz o diário, afirma que a equipe responsável por trazê-lo era do Centro de Inteligência da Aeronáutica. Contém ainda uma assinatura que pode ser do ex-deputado. O delegado Luís Fernando de Oliveira, responsável pelo recolhimento do material, diz que nada consta nos papéis que comprometa o coronel. No material também há relatórios sobre fatos após a explosão no Riocentro. Em 1981, uma bomba explodiu acidentalmente em um carro que levava dois militares durante um show do Dia dos Trabalhadores.

 

 

 


Homenagem, em Montevideo, a Jair Krischke, Presidente do MJDH RS
Personalidades de varios países do se reuniram hoje em Montevideo UR, para homenagear os 80 anos de idade de Jair Krischke
Presidente do Movimento de Justiça e dos Direitos Humanos recebe amanhã, 19, Prêmio no Uruguai por sua luta contra os Direitos Humanos
Abertas as inscrições para o 35º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo – 2018
Faleceu o amigo e colega Luís Milman
Famecos inicia atividades de projeto integrado do curso de Jornalismo
Acolhimento de refugiados em igrejas é alvo de críticas na Alemanha
Jair Krischke é palestrante na VII Conferência Internacional dos Direitos Humanos, na sede da OAB/RS
Morre Helio Bicudo, defensor dos Direitos Humanos
Compañer@s cuban@s:
Mecanismo Especial de Seguimiento para Nicaragua (MESENI) completa tercera semana de trabajo y constata intensificación de represión y operativos por la policía y grupos parapoliciales
Dani Rudnick, no Canadá, representando o PPG Direitos Humanos da Uniritter
Companheiro do MJDH, no Canadá, representando o PPG Direitos Humanos da Uniritter. apresentando paper sobre as prisões brasileiras
I Seminário Democracia e Direitos Humanos: 7 e 8 de junho, em Porto Alegre
Parentes dos desaparecidos continuam a reivindicar verdade e justiça
Conferência Estadual dos Direitos Humanos
Entrega de Prêmio Direitos Humanos ao Diário do Litoral
PRÊMIO DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO - Título: CÁRCERE FLUTUANTE – Verdade ainda submersa. Compareça
Museo inaugura exposición en honor al diplomático sueco y Embajador Harald Edelstam
30ª Medalha Chico Mendes de Resistência - 2018

Página 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA