ONG Parceira do PortoWeb

Diplomata sueco defensor dos Direitos Humanos é homenageado

  



Porto Alegre homenageou, nesta quinta-feira, 25, com o nome de uma praça no bairro Jardim Botânico, o diplomata sueco Gustav Harald Edelstam. Nascido em 1913, em Estocolmo, o diplomata foi responsável por manter vivas centenas de vítimas de regimes como o nazismo, na Alemanha, e a ditadura de Pinochet, no Chile. De iniciativa do Executivo, a lei que denomina a praça foi assinada no Salão Nobre do Paço Municipal, em uma cerimônia que contou com relatos emocionantes de sobreviventes agradecidos por terem sido ajudados por Edelstam

O prefeito José Fortunati falou sobre o interesse que teve ao ter as primeiras informações sobre a vida do homenageado. Sem considerar ideologias ou nacionalidades, disse ele, Edelstam não exitou em preservar vidas de cidadãos torturados pelos regimes totalitários e que estavam prestes a serem executados. “Cada episódio comprova que ele não era apenas um embaixador. Era um anjo na terra”, avaliou. Fortunati falou do orgulho de a Capital homenagear alguém que sempre lutou, tanto pelo Estado Democrático de Direito como pela preservação da vida.

Entre os sobreviventes, está o aposentado Dirceu Luiz Messias. Natural de Porto Alegre, autoexilou-se na Suécia e no Chile. “Nunca tive a oportunidade de agradecer, publicamente, ao governo Sueco por ter me recebido e por ter tido a possibilidade de não ser fuzilado. Sou muito grato ao governo, a Edelstam e a Porto Alegre, que dá mais um passo no respeito a povos do mundo inteiro.”

Os relatos de ações de Edelstam também foram feitos pelo presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, Jair Krischke, da Associação dos Ex-presos e Perseguidos Políticos do RS, capitão Reginaldo Ives da Rosa Barbosa, e do dirigente da Regional Latinoamericana da União Internacional de Trabalhadores da Alimentação (Uita), Enildo Iglesias. Entre eles, o de quando o diplomata atirou-se por cima de maca hospitalar, em que era conduzida uma pessoa ao fuzilamento, declarando aquele espaço um território sueco. Em outro episódio, Edelstam arrancou a bandeira da embaixada de Cuba no Chile, substituindo por uma sueca e declarando território neutro. A atitude determinou o recuo dos militares que já apontavam as armas para uma execução.

O evento, que teve início com a apresentação de um documentário sobre o diplomata realizado por alunos do curso de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-RS), contou com as presenças do representante do Consulado-Geral da Suécia em São Paulo, o Oficial de Chancelaria, Peter Johansson, da cônsul-geral do Uruguai em Porto Alegre, Karla Beszidnyak, e dos secretários municipais do Meio Ambiente, Leo Bulling, e de Direitos Humanos, Wilson Pastorini, além de moradores da Vila Juliano Moreira, onde está localizada a praça.

Sobre Harald Edelstam - O diplomata Gustav Harald Edelstam é reconhecido pelo trabalho na defesa dos direitos humanos. Atuou durante a Segunda Guerra Mundial na Noruega ocupada pelos nazistas, trabalhando pelo salvamento de vidas de centenas de judeus e membros da resistência norueguesa. Também foi nomeado embaixador da Suécia em Santiago do Chile em 1972 e dedicou-se a proteger refugiados da perseguição durante o golpe militar liderado por Augusto Pinochet em 1973, salvando vidas de chilenos, brasileiros e uruguaios. Ele foi expulxo daquele país e declarado persona non grata pelo regime ditatorial.

Sobre a praça – A praça faz parte da regularização fundiária do Loteamento Juliano Moreira. Tem uma área de 718,83m² em que o Estado fez um investimento em infraestrutura, como passeio público de concreto no entorno, rampas de acesso, além da previsão de equipamentos como bancos, brinquedos infantis e lixeiras.


Mais fotos no link:https://www.facebook.com/mjdh.rs/



Homenagem, em Montevideo, a Jair Krischke, Presidente do MJDH RS
Personalidades de varios países do se reuniram hoje em Montevideo UR, para homenagear os 80 anos de idade de Jair Krischke
Presidente do Movimento de Justiça e dos Direitos Humanos recebe amanhã, 19, Prêmio no Uruguai por sua luta contra os Direitos Humanos
Abertas as inscrições para o 35º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo – 2018
Faleceu o amigo e colega Luís Milman
Famecos inicia atividades de projeto integrado do curso de Jornalismo
Acolhimento de refugiados em igrejas é alvo de críticas na Alemanha
Jair Krischke é palestrante na VII Conferência Internacional dos Direitos Humanos, na sede da OAB/RS
Morre Helio Bicudo, defensor dos Direitos Humanos
Compañer@s cuban@s:
Mecanismo Especial de Seguimiento para Nicaragua (MESENI) completa tercera semana de trabajo y constata intensificación de represión y operativos por la policía y grupos parapoliciales
Dani Rudnick, no Canadá, representando o PPG Direitos Humanos da Uniritter
Companheiro do MJDH, no Canadá, representando o PPG Direitos Humanos da Uniritter. apresentando paper sobre as prisões brasileiras
I Seminário Democracia e Direitos Humanos: 7 e 8 de junho, em Porto Alegre
Parentes dos desaparecidos continuam a reivindicar verdade e justiça
Conferência Estadual dos Direitos Humanos
Entrega de Prêmio Direitos Humanos ao Diário do Litoral
PRÊMIO DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO - Título: CÁRCERE FLUTUANTE – Verdade ainda submersa. Compareça
Museo inaugura exposición en honor al diplomático sueco y Embajador Harald Edelstam
30ª Medalha Chico Mendes de Resistência - 2018

Página 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA