ONG Parceira do PortoWeb

Diplomata sueco defensor dos Direitos Humanos é homenageado

  



Porto Alegre homenageou, nesta quinta-feira, 25, com o nome de uma praça no bairro Jardim Botânico, o diplomata sueco Gustav Harald Edelstam. Nascido em 1913, em Estocolmo, o diplomata foi responsável por manter vivas centenas de vítimas de regimes como o nazismo, na Alemanha, e a ditadura de Pinochet, no Chile. De iniciativa do Executivo, a lei que denomina a praça foi assinada no Salão Nobre do Paço Municipal, em uma cerimônia que contou com relatos emocionantes de sobreviventes agradecidos por terem sido ajudados por Edelstam

O prefeito José Fortunati falou sobre o interesse que teve ao ter as primeiras informações sobre a vida do homenageado. Sem considerar ideologias ou nacionalidades, disse ele, Edelstam não exitou em preservar vidas de cidadãos torturados pelos regimes totalitários e que estavam prestes a serem executados. “Cada episódio comprova que ele não era apenas um embaixador. Era um anjo na terra”, avaliou. Fortunati falou do orgulho de a Capital homenagear alguém que sempre lutou, tanto pelo Estado Democrático de Direito como pela preservação da vida.

Entre os sobreviventes, está o aposentado Dirceu Luiz Messias. Natural de Porto Alegre, autoexilou-se na Suécia e no Chile. “Nunca tive a oportunidade de agradecer, publicamente, ao governo Sueco por ter me recebido e por ter tido a possibilidade de não ser fuzilado. Sou muito grato ao governo, a Edelstam e a Porto Alegre, que dá mais um passo no respeito a povos do mundo inteiro.”

Os relatos de ações de Edelstam também foram feitos pelo presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos, Jair Krischke, da Associação dos Ex-presos e Perseguidos Políticos do RS, capitão Reginaldo Ives da Rosa Barbosa, e do dirigente da Regional Latinoamericana da União Internacional de Trabalhadores da Alimentação (Uita), Enildo Iglesias. Entre eles, o de quando o diplomata atirou-se por cima de maca hospitalar, em que era conduzida uma pessoa ao fuzilamento, declarando aquele espaço um território sueco. Em outro episódio, Edelstam arrancou a bandeira da embaixada de Cuba no Chile, substituindo por uma sueca e declarando território neutro. A atitude determinou o recuo dos militares que já apontavam as armas para uma execução.

O evento, que teve início com a apresentação de um documentário sobre o diplomata realizado por alunos do curso de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-RS), contou com as presenças do representante do Consulado-Geral da Suécia em São Paulo, o Oficial de Chancelaria, Peter Johansson, da cônsul-geral do Uruguai em Porto Alegre, Karla Beszidnyak, e dos secretários municipais do Meio Ambiente, Leo Bulling, e de Direitos Humanos, Wilson Pastorini, além de moradores da Vila Juliano Moreira, onde está localizada a praça.

Sobre Harald Edelstam - O diplomata Gustav Harald Edelstam é reconhecido pelo trabalho na defesa dos direitos humanos. Atuou durante a Segunda Guerra Mundial na Noruega ocupada pelos nazistas, trabalhando pelo salvamento de vidas de centenas de judeus e membros da resistência norueguesa. Também foi nomeado embaixador da Suécia em Santiago do Chile em 1972 e dedicou-se a proteger refugiados da perseguição durante o golpe militar liderado por Augusto Pinochet em 1973, salvando vidas de chilenos, brasileiros e uruguaios. Ele foi expulxo daquele país e declarado persona non grata pelo regime ditatorial.

Sobre a praça – A praça faz parte da regularização fundiária do Loteamento Juliano Moreira. Tem uma área de 718,83m² em que o Estado fez um investimento em infraestrutura, como passeio público de concreto no entorno, rampas de acesso, além da previsão de equipamentos como bancos, brinquedos infantis e lixeiras.


Mais fotos no link:https://www.facebook.com/mjdh.rs/



Página 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA