ONG Parceira do PortoWeb

Der Spiegel: Volkswagen espionou e torturou funcionários durante ditadura no Brasil

"Der Spiegel": Volkswagen espionou e torturou funcionários durante ditadura no Brasil

Revista alemã publicou resultado de investigação solicitada pela fabricante

Nesta segunda-feira (24) a revista alemã Der Spiegel publicou o resultado de uma investigação sobre o envolvimento da Volkswagen com a ditadura militar brasileira (1964-1985). 

A denúncia compreende que o departamento de segurança da Volkswagen teria espionado e contribuído para detenções de funcionários em São Bernardo do Campo (SP).

Segundo a reportagem a sondagem foi solicitada pela própria fabricante de veículos. Jornalistas analisaram documentos da filial brasileira e na sede alemã, em Wolfsburg, classificados como documentos secretos pelo Departamento de Ordem Política e Social (Dops) e relatórios confidenciais do Ministério das Relações Exteriores da Alemanha.

"Operários eram presos na planta da fábrica e, em seguida, torturados", publicou o Süddeutsche Zeitung.

 

Descrição: Spiegel aponta que a investigação constatou que alguns galpões em São Bernardo do Campo foram cedidos aos militares e usados como centros de detenção e tortura

Spiegel aponta que a investigação constatou que alguns galpões em São Bernardo do Campo foram cedidos aos militares e usados como centros de detenção e tortura

 

Os repórteres tiveram acesso às atas de investigação do Ministério Público de São Paulo e realizaram entrevistas com alguns ex-funcionários da Volkswagen do Brasil, acrescenta. Muitos confirmaram que foram detidos na fábrica em 1972. Eles faziam parte de um grupo de oposição à ditadura, distribuíam folhetos do Partido Comunista e organizavam reuniões sindicais, explica Spiegel.

O dossiê confirma que a filial brasileira espionou seus trabalhadores e suas ideias políticas e que esses dados acabaram em "listas negras" do Dops. As vítimas lembraram como foram torturadas durante meses, destaca Spiegel.

"A Volkswagen roubou dois anos da minha vida", contou o ex-operário Lúcio Bellentani, 72, que afirmou ter sido preso por 16 meses e torturado. 

"Indiretamente a empresa foi responsável por numerosos casos de tortura e perseguição. Ela deve ter a dignidade de reconhecer sua responsabilidade."

O periódico alemão complementa que o historiador Christopher Kopper confirmou que em 2016 foi nomeado pela empresa para a investigação sobre a existência de "uma colaboração regular" entre o departamento de segurança da filial brasileira e o Dops.

Segundo Kopper, a empresa "permitiu as detenções" e pode ser que, ao compartilhar informações com a polícia, "contribuísse para elas". Ele sugeriu que Volkswagen peça desculpas aos ex-funcionários afetados pela conduta.

A sede da montadora se negou a comentar o conteúdo das alegações e reiterou ter encarregado o historiador Kooper de investigar e apresentar um parecer sobre a questão. Kooper apresentará suas conclusões até o final do ano, informa o Spiegel.

O texto explica que há quase dois anos foi aberta em São Paulo uma investigação sobre a Volkswagen do Brasil para determinar a responsabilidade da empresa na violação dos direitos humanos durante a ditadura de 1964 a 1985.

Spiegel aponta que a investigação constatou que alguns galpões em São Bernardo do Campo foram cedidos aos militares e usados como centros de detenção e tortura e que a empresa doou cerca de 200 veículos ao regime militar, depois usados pelos serviços de repressão.

> > Der Spiegel

 


Rádio Guaíba- Em audiência em Brasília, presidente da entidade, Jair Krischke, também revelou documentos inéditos sobre a repressão militar
Agência Brasil- Ativista de direitos humanos entrega documentos inéditos à Comissão da Verdade
Site Terra - Documentos mostram que Brasil criou e comandou Operação Condor
Sul 21 - Documentos comprovam que Brasil criou e comandou Operação Condor, diz Krischke
Operação Condor- Na Mídia.
Documentos revelam detalhes de explosão no Riocentro
Operação Condor e Riocentro - Ativista Jair Krischke fará revelações à Comissão da Verdade
Não percam: 58º Feira do Livro de Porto Alegre - DITADURA, REPRESSÃO E LUTA ARMADA: MAJOR CURIÓ X CARLOS MARIGHELLA.
Sessão Comentada – 7 nov – qua – 19h MARIGHELLA - Brasil, 2011, 35 mm, cor, 100 min- CINEMA . SANTANDER CULTURAL programação NOVEMBRO 2012 (27/10 a 11/11)
CASO EXTRADICIÓN DE MANUEL CORDERO: ANTECEDENTE ABRE LAS PUERTAS EN LA JURISPRUDENCIA INTERNA DE BRASIL.
Militar morto na Capital comandava o Doi-Codi no ano do Atentado do Riocentro
Feira do Livro- Painel - DITADURA, REPRESSÃO E LUTA ARMADA: MAJOR CURIÓ X CARLOS MARIGHELLA.
CCDH sedia coletiva de imprensa do embaixador do Equador sobre morte de ex-presidente
COLETIVA DE IMPRENSA- Dia 24 de outubro, 15h30min, Comissão de Cidadania e Direitos Humanos – 3º andar –Palácio Farroupilha- Assembléia Legislativa do RS
Papéis indicam que Jango era monitorado por militares
Operação Condor teve início em 1970, mostram novos documentos
Dossiê Jango, de Paulo Fontenelle, desestabiliza ânimos na disputa pelo troféu Redentor Filme foi aplaudido de pé ao fim da sessão no Cine Odeon
MOVIMENTO DE JUSTIÇA E DIREITOS HUMANOS/Brasil INFORMA: A Câmara de Deputados do Uruguay, por proposta do Dep. Luis Puig, prestará no dia 02 de outubro, justa homenagem a memória de nosso querido companheiro Universindo Rodriguez Diaz.
Saiba tudo sobre 29° PRÊMIO DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO- Veja abaixo.
COLETIVA DE IMPRENSA: No domingo à tarde, dia 30/09, às 15,30h, Rosa Cardoso e Jair Krischke terão um encontro com a imprensa no hotel Everest (rua Duque de Caxias, 1357)

Anterior || ... | 5 | 6 | 7 | 8 | Página 9 | 10 | 11 | 12 | 13 | 14 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA