ONG Parceira do PortoWeb

Museo inaugura exposición en honor al diplomático sueco y Embajador Harald Edelstam

Defensores dos Direitos Humanos é um trabalho do artista sueco Carl Adam Cronstedt e será até 30 de abril, de terça a domingo das 9:00 às 18:00 na esplanada (pátio ao ar livre).

A amostra de 30 ilustrações percorreu diferentes partes do mundo sob o nome "Direitos Humanos, Coragem Civil e Heróis", em que retratos de pessoas anônimas são feitos pelo artista sueco Carl Adam Cronstedt, e que são colocados em relação a biografias de pessoas que tiveram um compromisso absoluto e conseqüência com a defesa dos direitos humanos no mundo. Entre eles estão o embaixador sueco Harald Edelstam, o Prêmio Nacional de Direitos Humanos 2011, Viviana Díaz, e o chileno-sueco morto no Congo, Zaida Catalán.

A inauguração foi conduzida pelo presidente da Fundação Edelstam e neta do embaixador sueco, Caroline Edelstam, Vice Tucapel Jiménez, Embaixador da Suécia, Jakob Kiefer, Presidente do Instituto Chileno sueca, Anna-Karin Gauding, o Prêmio Nacional Nacional dos Direitos Humanos, Viviana Díaz, advogada dos Direitos Humanos e membro do Instituto Nacional, diretora executiva do Museu da Memória e Direitos Humanos, Francisco Estévez.

O director executivo do Museu da Memória, disse que "falar de Defensores dos Direitos Humanos está falando principalmente humana: as pessoas muitas vezes anônimo, por meio de ações em todos os dias, pequenas e espaços próximos, pensar no outro nas pessoas que vêem diariamente ou naqueles que não vêem, mas que são vítimas de injustiça, desigualdade de oportunidades, discriminação constante; e eles agem para promover o respeito, para dignificá-los e defender o que lhes pertence ".

Para Caroline Edelstam, esta exposição destaca a coragem cívica das pessoas na defesa dos direitos humanos, "assim como meu avô, que, com os toques de um herói, superou o medo de ajudar os outros. No Chile, em 1973, como embaixador, resgatou e protegeu muitos políticos perseguidos após o golpe militar de Augusto Pinochet. Esse tipo de coragem é essencial para questionar leis injustas e sistemas políticos repressivos e para salvar as pessoas dos perigos imediatos, da discriminação e da marginalidade ".

Anna-Karin Gauding, agradeceu a oportunidade de estar de volta à "nossa casa", já que estivemos presentes em todas as homenagens aos suecos que estiveram presentes em solidariedade ao Chile. Edelstam é uma figura muito importante que nunca devemos esquecer ". Da mesma forma, o deputado Jimenez destacou a exposição como "mantém viva esta memória e deve fazer parte da identidade de cada ser humano, porque devemos aprender com o passado para viver um futuro melhor".

Harald Edelstam (1913-1989).

O embaixador Harald Edelstam se destacou como diplomata por seu profissionalismo, coragem e coragem civil na luta pela defesa dos direitos humanos. Ele foi um dos primeiros expoentes e símbolo do que hoje conhecemos como "responsabilidade de proteger" e suas ações memoráveis ​​contribuíram para salvar muitas vidas.

Tornou-se conhecido internacionalmente por seu notável e incansável trabalho em defesa dos direitos humanos, cuja expressão máxima foi dada durante a Segunda Guerra Mundial, quando ele protegeu e resgatou centenas de judeus e membros da resistência, bem como no Chile, onde resgatou e ajudou numerosos perseguidos políticos após o Golpe Militar em setembro de 1973.

Vindo de uma família nobre, Harald Edelstam nasceu em 17 de março de 1913, em Estocolmo, na Suécia. Seus primeiros estudos foram conduzidos na academia militar de Kalberg e, mais tarde, estudou direito na Universidade de Estocolmo. Em 1939 formou-se jurista e nesse mesmo ano ingressou no Ministério das Relações Exteriores sueco, cumprindo sua primeira missão como adido diplomático, em Roma, Itália.

Em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, foi enviado para a Embaixada da Suécia em Berlim e, em seguida, foi designado para Oslo, entre 1942 e 1944. Em Berlim, Edelstam ajudou famílias judias perseguidos pelo regime nazista, e Oslo protegido membros a resistência contra o governo pró-nazista da Noruega. Fé então que adquiriu o apelido Black Clavel -Svarta nejlikan, em sueco - que conservou o resto de sua vida.

Entre 1948 e 1968, ele foi proeminente em Haia, Varsóvia, Istambul, Indonésia e Filipinas, e em 1969 tornou-se embaixador na Guatemala, de onde também representou a Suécia em outros países da América Central. Nos anos em que o país estava passando por um sério conflito armado, Edelstam se reuniu com grupos e organizações populares que lutaram pelos direitos humanos e denunciaram publicamente as violações desses direitos na Guatemala.

Em 1972 ele chegou ao Chile, que na época era governado pelo presidente Salvador Allende, representante da coalizão de esquerda Unidade Popular, e que foi derrubado pelo golpe militar de 11 de setembro de 1973.

Imediatamente após o golpe, Edelstam protegeu e ajudou pessoas de diferentes nacionalidades, solicitando apoio de outros diplomatas. Deu asilo a mais de 500 perseguidos políticos chilenos, salvou 40 refugiados uruguaios de serem baleados no Estádio Nacional, depois transformado em prisão por presos políticos pelo governo de Augusto Pinochet. Edelstam transferiu pessoalmente os refugiados que salvou no veículo da embaixada para o avião que os levou do Chile.

Ele também entrou e içou a bandeira sueca na embaixada cubana, naqueles dias cercada e atacada pelos militares, declarando que fazia parte da embaixada sueca. Com isso, ele salvou os diplomatas e refugiados chilenos que estavam dentro da sede.

A ditadura militar foi declarada Persona Non Grata, então ele teve que deixar o Chile em dezembro de 1973.

Ele terminou sua carreira diplomática na Argélia, onde serviu como embaixador de 1974 a 1979. Ele morreu em 16 de abril de 1989.

A Fundação Edelstam propõe uma visão humanista, baseada nos valores e princípios expressos principalmente na Declaração dos Direitos Humanos das Nações Unidas de 1948, além das convenções que a seguem e do direito público internacionalmente aceito. A fundação é uma organização política e religiosamente independente. A Fundação Edelstam é uma organização sem fins lucrativos registrada na Suécia, com sede em Estocolmo, e é representada por embaixadores em Londres, Hamburgo, Nova York, Concepción (Chile) e Montevidéu (Uruguai). (Fonte Edelstam Foundation).

 

 


Parentes dos desaparecidos continuam a reivindicar verdade e justiça
Conferência Estadual dos Direitos Humanos
Entrega de Prêmio Direitos Humanos ao Diário do Litoral
PRÊMIO DIREITOS HUMANOS DE JORNALISMO - Título: CÁRCERE FLUTUANTE – Verdade ainda submersa. Compareça
30ª Medalha Chico Mendes de Resistência - 2018
RECURSO Plan Cóndor: Segunda Etapa del Juicio Comienza el 12 de Abril
Os Direitos das Mulheres
Falecimento do Jornalista Marçal
Grupo de Trabalho Perus identifica restos mortais de militante político
NOTA DE PESAR - Morreu Eva Sopher
Um ano após as ameaças do Comando Barneix o silêncio ensurdecedor do governo uruguaio
Ameaça aos Direitos Humanos
Entrevista - Jair Krischke - A Operação Condor foi inventada no Brasil
OAB lotou para entrega do Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo.
-Vejam os vencedores do 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo que receberão suas premiações às 20 horas no auditório da OAB/RS - Rua Washington Luiz, 1.110 – 2º andar - Porto Alegre/RS. -
HOJE, 10 DE DEZEMBRO, É COMEMORADO O DIA INTERNACIONAL D OS DIREITOS HUMANOS
CERIMÔNIA DE ENTREGA DOS PRÊMIOS - Vejam os vencedores do 34º Prêmio Direitos Humanos de Jornalismo - Dia 11 de dezembro de 2017, às 20 horas - Auditório da OAB/RS - Rua Washington Luiz, 1.110 – 2º andar - Porto Alegre/RS
Justiça da Itália ouve presidente de ONG de direitos humanos em processo contra ex-agentes da ditadura
Pesquisadora da University of Oxford, de Londres faz pesquisa sobre a Operação Condor em arquivos do Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Rio Grande do Sul

Página 1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | ... || Próxima

A+-     A  ?
» Contatos
Movimento de Justiça e Direitos Humanos

Av. Borges de Medeiros, 340 - 94
Porto Alegre - RS

 (51) 3221-9130
 Fale Conosco









Desenvolvimento PROCEMPA